Acessar AVA Forums 3º Fórum de Prática Ministerial Gestão de Igrejas Responder a: Gestão de Igrejas

  • [email protected]

    Member
    08/05/2024 a 10:06

    Em uma abordagem descritiva discursiva, gostaria de apresentar minha apreensão abordando os seguintes conceitos:

    • O Estado da Arte: É a compreensão do estado de conhecimento sobre um tema, afim de
      que se ordene periodicamente o conjunto de informações e resultados já obtidos,
      ordenação que permita indicação das possibilidades de integração de diferentes
      perspectivas, aparentemente autônomas, a identificação de duplicações e
      contradições, e a determinação de lacunas e vieses, ou seja, é um mapa que nos permite continuar
      caminhando.
    • Definição de gestão e gestão eclesiástica: A etimologia do termo ‘gestão’ decorre do latim ‘gestio’ que significa ‘ato de
      administrar’ ou ‘gerere’ que denota ‘gerenciar, levar, realizar’. Ao passo que a gestão eclesiástica é
      uma prática diferenciada, capaz de
      gerenciar o sistema e os procedimentos administrativos e demais elementos que
      compõem a estrutura da igreja, somando princípios aplicáveis, ética e competência
      equilibrada pelo poder de Deus, sem ignorar os direitos e deveres legais, utilizando técnicas e procedimentos amplos e eficazes dentro da forma de governo, da visão,
      dos valores e dos princípios eclesiásticos que se preconiza, num processo sistêmico
      e transparente, com foco nas pessoas, no intuito de alcançar metas e objetivos bem
      definidos previamente junto à liderança local, na direção da missão cristã.
    • O papel do gestor cristão: É de prever,
      organizar, empreender, comandar, motivar, coordenar, avaliar, controlar e suprir
      todas as vertentes eclesiásticas e cada setor operacional, tanto na área financeira,
      contábil, administrativa, jurídica, como no suporte humano (parceiros, funcionários,
      voluntários, equipes ministeriais, assim como auditores e consultores ficais e
      contábeis), somando recursos, espaços, eventos e demais estratégias na execução
      do planejamento há curto e médio prazos, como fator de crescimento e de bom
      andamento da visão da Igreja.
    • A igreja como entidade do terceiro setor: A igreja faz parte do grupo de organizações pertencentes ao Terceiro Setor pelo fato de ser uma organização sem fins lucrativos, que supre a lacuna
      deixada pelo Estado em suas ações sociais, auxiliando pessoas com as mais
      distintas carências, de forma autônoma e organizada para um bem comum.
    • Planejamento estratégico, sua implementação e controle: Planejamento estratégico é uma metodologia gerencial que permite estabelecer a
      direção a ser seguida pela Organização, visando maior grau de interação com o
      ambiente”. Divide-se em três níveis: estratégico, tático e operacional, conforme o tipo de trabalho que é
      desenvolvido por cada nível. Ao implementar o Planejamento Estratégico, é necessário manter a disciplina e
      distribuir as pessoas certas nos lugares certos, suprindo as necessidades presentes
      com as potencialidades disponíveis, realizando a divisão de trabalho de acordo com
      cada habilidade e competência (finanças, jurídico, voluntariado, marketing,
      ministérios e educação), com base no plano de ação pré-aprovado, de forma que os
      envolvidos se sintam responsáveis, resguardados e encorajados a aderir ao
      processo, aceitando novas ideias e metodologias, possibilitando o compartilhamento
      de ideias entre os vários níveis hierárquicos presentes na instituição religiosa,
      promovendo a discussão de qualidade contínua, corrigindo os erros e
      recompensando só os acertos, tanto de funcionários como de voluntários, diante do
      senso de unidade instaurado.