Acessar AVA Forums 3º Fórum de Prática Ministerial 3º Fórum – Prática Ministerial Responder a: 3º Fórum – Prática Ministerial

  • Dayre

    Member
    11/05/2024 a 00:09
    1. O Estado da Arte:

    Concernente ao estado da arte, no tocante ao conhecimento sobre Gestão de Igrejas, considerando os dados analisados no artigo proposto, pode-se sugerir uma carência por um maior aprofundamento no contexto eclesiástico burocrático considerando uma abordagem Estratégica de Gestão.

    1. Definição de gestão e gestão eclesiástica

    Enquanto o termo gestão tenha um aspecto mais geral relacionado à administração ou gerência de algo, a gestão eclesiástica aplica esta ideia ao contexto religioso e seus elementos. Gestão eclesiástica refere-se à capacidade de gerenciar os processos administrativos e demais elementos da igreja.

    1. O papel do gestor cristão

    Dentre outras competências, um gestor cristão deve ser orientado pelos princípios das Escrituras e possuir habilidades, tais como as citadas no artigo proposto, como analisar, prever, organizar, empreender, comandar, motivar, coordenar, avaliar, controlar e suprir todas as vertentes eclesiásticas e cada setor operacional (…).

    O gestor também deve observar as obrigações estatais, bem como dos indivíduos para que receba validação de suas ações perante a sociedade.

    1. A igreja como entidade do terceiro setor

    O primeiro setor é o governo, enquanto o segundo é composto por instituições privadas que apuram lucro e o terceiro setor é formado pelas instituições religiosas e outras sem fins lucrativos. Embora o governo, ao longo da história, tenha se apropriado de algumas atividades anteriormente oferecidas por instituições religiosas, o Terceiro Setor, incluindo as igrejas, prosseguiu exercendo um papel essencial e crescente na implantação das Políticas Públicas sociais, atendendo e desenvolvendo cada vez mais atividades de interesse coletivo, tanto através das instituições religiosa como por outros setores comprometidos com a democracia e a mudança social (…) como bem pontuou o antigo em análise.

    1. Planejamento estratégico, sua implementação e controle.

    Referente a ideia de planejamento estratégico considera-se muito relevante no contexto eclesiastico, uma vez que possibilita uma melhor organização de ações e uma melhor clareza quanto a missão e objetivos estabelecidos a curto, médio e longo prazo.

    A implementação do Planejamento Estratégico requer disciplina além de exigir uma boa gestão das pessoas e seus papéis, como bem pontuou o artigo em análise: suprindo as necessidades presentes com as potencialidades disponíveis (…).