Responder a: Governo Eclesiásticos e Ordenação ao Ministério Pastoral

  • Arthur

    Member
    21/04/2024 a 23:57

    1.

    O modelo de governo que esta presente na igreja Batista é congregacional democrático. As decisões a serem tomadas são feitas em assembléias ordinárias ou extraordinárias e que os membros podem votar. Ela se distingue por dar voz a todos os membros. Não há um grupo seleto ou ainda um grupo eleito para tomar as decisões. Nem mesmo o pastor é quem toma as decisões e as passa aos membros. Necessário é a votação para que decisões sejam tomadas. Estas podem ser administrativas, econômicas, missionárias. A democracia se faz presente no modelo de governo batista.

    2.

    No Brasil, a formação dos candidatos a serem ordenados pastores difere entre as denominações. A presbiteriana e a batista são as que mais se esforçam para terem pastores ordenados que tenham alguma formação teológica, pois é necessário que aquele que está a frente da igreja possa conduzi-la, instrui-la de forma bíblica e isto necessita de conhecimento bíblico. Ainda que na batista existe divergência quanto a formação teológica com alguns defendendo que não é necessário, pois na igreja do primeiro século haviam líderes que não eram letrados. Algo que precisa ser melhorado é a experiência de ministério para aqueles que ainda são candidatos. Eles precisam ser experimentados no campo, pois assim será possível ter melhor referência para ter a certeza de que eles possuem o chamado divino e também o caráter necessário. Conhecimento teológico é importante, mas não é a única coisa que valida. A vida do candidato deveria ser melhor vista com a igreja que ele está inserido o reconhecendo pela maneira com que vive.

    Além disso, os candidatos estão encontrando novos desafios desde a sua formação, pois a forma com que o mundo se encontra e as exigências que as convenções colocam sobre os pastores estão mudando e até aumentando com o passar dos anos. A concorrência não se da mais apenas com o lado de fora, mas também com o lado de dentro por conta dos neopentecostais. A concorrência de fora se da pela secularização da sociedade. As ideias, ideologias, a forma de viver estão mudando e ofícios que o pastor tinha. estão sendo exercidos por profissionais, como psicólogos. A função pastoral está perdendo espaço e isso está gerando uma crise de identidade e de função na sociedade. A crise de dentro com os neopentecostais se da pela forma mais fácil de serem ordenados pastores e que estes conseguem ser mais flexíveis com as mudanças da sociedade para alcança-la.